Editorial | Com indicação de arquivamento de PAD, UESB confirma sua leniência com a prática de assédio

Por - 13 de maio de 2024

Em março de 2023, o Sindicato dos Jornalistas da Bahia (Sinjorba) denunciou assédio moral na universidade. Mais de um ano após a situação ter se tornado pública, a Comissão de Processo Administrativo Disciplinar instaurada para investigar o caso decidiu arquivá-lo.

No dia 1º de março de 2023, o Sindicato dos Jornalistas da Bahia (Sinjorba) denunciou a prática de assédio moral no Sistema de Rádio e Televisão Educativas (SURTE) e na Assessoria de Comunicação da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Após ouvir depoimentos de jornalistas dos dois setores, a entidade sindical pediu que a reitoria da instituição investigasse os casos relatados. Uma carta foi endereçada ao reitor Luiz Otávio de Magalhães, mas esse foi apenas o começo de um longo processo.

Mais de um ano após a situação ter se tornado pública, o Sinjorba revelou, em matéria publicada no dia 6 de maio de 2024, que a Comissão de Processo Administrativo Disciplinar (PAD) instaurada para investigar o caso decidiu arquivá-lo. Em palavras miúdas, isso significa que não haverá punição para o acusado de assédio moral, o docente Rubens Sampaio, à época diretor do SURTE.

O resultado não é uma surpresa, mas não deixa de ser decepcionante e revoltante. Os relatos de assédio partiram não de uma pessoa, mas de quatro jornalistas. Além disso, as denúncias foram corroboradas por outros profissionais que fizeram parte da Comissão de Sindicância, responsável por averiguar os fatos antes da abertura do PAD.

A Sindicância concluiu que houve sim prática de assédio moral nos setores da UESB e indicou a abertura do PAD contra o gestor e três de seus subordinados diretos. O grupo de trabalho ouviu mais de 20 pessoas, entre denunciantes, testemunhas e acusados. Mas, infelizmente, nada disso foi suficiente para que as pessoas que causaram sofrimento a trabalhadores fossem devidamente responsabilizadas.

As palavras do Sinjorba resumem muito bem a forma como essa instituição lida (ou melhor, não lida) com esse tipo de violência. “Quando a pauta é assédio moral e sexual, a UESB mantém um ambiente onde as denúncias não prosperam. A instituição não investiga corretamente os casos, não pune devidamente os autores e não acolhe humanamente as vítimas”.

É inegável que se não fosse pela coragem dos denunciantes, a competência do Sinjorba e a pressão através da exposição na mídia, nem mesmo o PAD teria sido aberto. Há anos a comunidade cobra que seja implementado na UESB um protocolo de combate ao assédio. Mas isso não será possível enquanto aqueles que comandam a universidade sejam reprodutores das práticas machistas e violentas enraizadas em nossa sociedade.


Importante: Você pode ler este texto em primeira mão assinando a nossa newsletter, onde publicamos os editoriais do Conquista Repórter. A “Nossa Semana” chega aos sábados, sempre às 8h, no e-mail dos nossos assinantes. Clique aqui e se inscreva para receber!

Foto de capa: Ascom/UESB.

Gosta do nosso trabalho? Então considere apoiar o Conquista Repórter. Doe qualquer valor pela chave PIX 77999214805 ou assine a nossa campanha de financiamento coletivo no Catarse. Assim, você nos ajuda a fortalecer o jornalismo independente que Vitória da Conquista precisa e merece!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • some
  • Somos uma organização de mídia independente que produz jornalismo local em defesa dos direitos humanos e da democracia no sertão baiano.
  • Apoie

© 2021-2024 | Conquista Repórter. Todos os direitos reservados.