“Escuridão total”: moradores do Assentamento Zumbi dos Palmares denunciam falta de iluminação pública

Por - 29 de maio de 2024

Segundo residentes, toda a comunidade recebeu energia elétrica, com exceção de dois trechos: os primeiros 400 metros (aprox.) após a entrada do local, localizada na BR 415, e os últimos 150 metros de extensão do território.

Há mais de dez anos, as pessoas que residem no Assentamento Zumbi dos Palmares, em Vitória da Conquista, lidam com a ausência de iluminação pública em dois pontos cruciais. À noite, quando não há mais a luz do sol, a entrada e a saída do local ficam no completo escuro, o que causa transtornos para a população. A situação é especialmente difícil para as quatro casas localizadas nos últimos 150 metros de extensão do território. No total, cerca de 30 famílias moram na comunidade.

“Ficamos na escuridão total, correndo um grande risco a todo tipo de situação”, explica Guapeí Vasconcelos Veras, que desde 2004 vive em uma casa situada na saída do assentamento. “Isso nos causa uma sensação de insegurança. Temos muitas famílias com núcleos geridos por mulheres e idosos que ficam ainda mais vulneráveis. Essa situação existe desde que foi colocada energia na localidade”, complementa.

Juliana França também sente medo, não só por ela, mas por suas filhas. Moradora do assentamento há 20 anos, é mãe de duas meninas, uma de 18 e outra de 15 anos. “Minha filha já foi assaltada. Eu tenho que levar e buscar as duas no ponto de ônibus quando vão e voltam da escola. Me sinto insegura”, relata.

De acordo com os moradores, o problema existe desde que a energia elétrica chegou até a comunidade, por meio do Programa Luz Para Todos, em meados de 2007. Todo o território recebeu iluminação, com exceção de dois trechos: os primeiros 400 metros (aprox.) após a entrada do assentamento, localizada na BR 415 (estrada que liga Vitória da Conquista e Itambé), e os últimos 150 metros de extensão da localidade. 

“A questão foi levada para a Coelba e para os políticos da cidade, mas ainda segue sem resolução. Existem solicitações, inclusive com projetos e orçamentos. Já foram feitos vários pedidos, tanto em nome de pessoa física quanto jurídica, por meio da associação de moradores”, destaca Guapeí Vasconcelos Veras.

Para Elzenir Coelho dos Santos, moradora do assentamento há 11 anos, a sensação é de abandono. “Sempre reclamamos e exigimos os nossos direitos, mas até hoje não tivemos retorno. Estamos abandonados aqui. Corremos perigo na escuridão, podendo pisar em cobras ou sermos assaltados”, afirma. 

Apesar das reivindicações da comunidade, quase vinte anos depois da chegada da energia elétrica no assentamento, algumas famílias permanecem no escuro. “A Coelba informa que, na época da instalação, os trechos não tinham residências construídas, por isso não receberam iluminação. Mas desde 2009, no trecho final, tem pessoas residindo lá e não colocaram energia”, ressalta o morador Guapeí. 

O Conquista Repórter solicitou esclarecimentos da Coelba e da Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista. Mas até a publicação desta matéria, não recebemos respostas.

Gosta do nosso trabalho? Então considere apoiar o Conquista Repórter. Doe qualquer valor pela chave PIX 77999214805 ou assine a nossa campanha de financiamento coletivo no Catarse. Assim, você nos ajuda a fortalecer o jornalismo independente que Vitória da Conquista precisa e merece!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • some
  • Somos uma organização de mídia independente que produz jornalismo local em defesa dos direitos humanos e da democracia no sertão baiano.
  • Apoie

© 2021-2024 | Conquista Repórter. Todos os direitos reservados.